Quarteto Ipê Amarelo

Agenda

  • 00/00/0000 - Quarteto Villani 02....

Mais artistas

Formado em 2006, atualmente o Quarteto Ipê Amarelo é composto por Ana Amélia Wingeter (flauta), Régis Gomide Costa (piano), Valgério Adriani Gianotto (contrabaixo) e Jayme Pladevall (bateria). A partir desta integração, os músicos decidiram ampliar suas possibilidades musicais. Neste sentido, o universo sonoro do Quarteto Ipê Amarelo procura integrar linguagens musicais distintas, apostando na ideia que não existe exatamente compartimentos estanques entre as diversas linguagens. No primeiro CD do quarteto intitulado Mercado Paulistano, os intérpretes buscaram promover o encontro de três gerações de compositores brasileiros que tivessem em suas formações e vivências musicais, o livre trânsito entre as linguagens da música erudita, jazzística e popular brasileira. Estes fatores tornaram-se características fundamentais, que viriam determinar o perfil do grupo.

Formado em 2006, atualmente o Quarteto Ipê Amarelo é composto por Ana Amélia Wingeter (flauta), Régis Gomide Costa (piano), Valgério Adriani Gianotto (contrabaixo) e Jayme Pladevall (bateria).

O grupo surgiu a partir da montagem da Suíte for flute and piano jazz (Suíte para flauta e piano jazz), do compositor francês Claude Bolling - uma das peças emblemáticas do século 20. ASendo assim, os compositores reunidos para o CD Mercado Paulistano são: Edmundo Villani-Côrtes (1930), referência dentre os maiores compositores da História da Música Brasileira; Ricardo Matsuda (1965) e Sérgio Freitas (1962), ambos, compositores que já possuem a mais alta credibilidade no meio musical atual; e por fim Vitor Caffaro (1980), jovem talento que vem se destacando neste cenário. Sendo assim, os compositores reunidos para o CD Mercado Paulistano são: Edmundo Villani-Côrtes (1930), referência dentre os maiores compositores da História da Música Brasileira; Ricardo Matsuda (1965) e Sérgio Freitas (1962), ambos, compositores que já possuem a mais alta credibilidade no meio musical atual; e por fim Vitor Caffaro (1980), jovem talento que vem se destacando neste cenário.

O nome do quarteto, além de fazer referência à árvore símbolo do Brasil, reverencia o título da composição de Villani-Côrtes dedicada ao grupo.